Ícone de alerta
Alerta anterior Próximo alerta Fechar alerta

A herança

Compartilhar Compartilhe no Whatsapp Compartilhe no Facebook Compartilhe no Twitter

2 min de leitura

Quando Dilma Rousseff tomou posse, em janeiro de 2011, o Brasil crescia 7,5%, a maior taxa desde 1986. Passados cinco anos, o País registra queda de 3,8% no PIB. Também contas públicas deterioradas, desemprego em 8,5% (são 11,5 milhões sem trabalho) e uma inflação de dois dígitos. O governo caminha oficialmente para fechar 2016 com o terceiro rombo anual e um deficit primário recorde, de R$ 170,5 bilhões. E as expectativas indicam que, ao final deste ano, a economia terá encolhido quase 8% desde 2014.

 

O próximo passo: 

Sem muito o que discutir. É virar a página. Remar forte e mudar o curso.

Felizmente o Brasil tem ainda um setor dinâmico e ascendente como o agronegócio, que foi um dos fiadores da nossa economia nos últimos anos, do contrário poderia ter sido ainda pior. Sozinho o agro não fará milagres no curto prazo. Mas, no conjunto de uma economia em renovação, será uma alavancagem essencial.

 

Coriolano Xavier

Sócio Diretor da Biomarketing

Experimente ter monitoramento em tempo real da sua fazenda

+ mais notícias