Ícone de alerta
Alerta anterior Próximo alerta Fechar alerta

Milho: a estrela das festas juninas

Compartilhar Compartilhe no Whatsapp Compartilhe no Facebook Compartilhe no Twitter

7 min de leitura

No mês de junho e até em julho, não tem como celebrar os arraiais, da comida típica, da dança, das bandeirinhas e da camisa quadriculada. As festas juninas e julinas são uma tradição cultural em praticamente todas as regiões do Brasil e têm, em comum, um alimento protagonista: o milho, presente em diversos pratos como a pamonha, a canjica, a pipoca e tantas outras delícias dessa época.

 

festajunina_milho_valendo

Foto: Getty Images

 

História

 

As evidências científicas apontam que o cereal começou a ser cultivado entre 7500 e 12000 anos atrás, na região onde hoje está localizado o México. Com o passar dos anos, o alimento foi trazido para a América do Sul, onde foi descoberto pelos europeus a partir da colonização do continente, se espalhando pelo globo terrestre.

 

Atualmente, o milho é produzido em diversas regiões do planeta. O Brasil é o terceiro maior produtor mundial, com 64 milhões de toneladas anuais, atrás apenas dos Estados Unidos (em 1º, com 384 milhões de toneladas) e da China (em segundo, com 231 milhões de toneladas). O milho é uma commodity, ou seja, uma matéria prima usada pela indústria para criação de diversos produtos industrializados, como ração para animais, xaropes e álcool.

 

“Apesar de ser mais lembrado no mês de junho, o milho é um alimento muito rico nutricionalmente e deveria estar muito mais presente na dieta do brasileiro. Ele faz parte da nossa identidade cultural, remetendo à sua cultura pelos indígenas, além de ser saboroso e muito versátil na cozinha”, explica Patricia de Moraes Pontilho, coordenadora do curso de Nutrição da Faculdade Anhanguera.

 

 

milho_getty_valendo

Foto: Getty Images

 

Como alimento, o milho se destaca por ter um valor acessível e pela versatilidade de seu uso em receitas, sendo rico em carboidratos e fibras, contribuindo para o consumo de proteínas, vitaminas do complexo B, além de ferro, fósforo, potássio e zinco.

 

A seguir, Pontilho lista alguns dos muitos benefícios do milho para a saúde:

 

Rico em nutrientes: o milho contém vitaminas A, B1 (responsável pela quebra de gorduras, colaborando para o metabolismo, além de ser importante para o desenvolvimento do sistema nervoso), C, e magnésio.

 

Fonte de carotenoide: substância responsável pelo pigmento amarelado do milho, é muito importante para a alimentação humana, atuando diretamente na respiração celular, podendo atuar como antioxidante no organismo.

 

Contém luteína e zeaxantina: duas substâncias com ação antioxidante que protegem as células contra radicais livres.

 

Rico em fibras: por sofrer menos processos de refino (o que acontece com outros cereais como o arroz e o trigo), o milho conserva propriedades, principalmente na casca, sendo rico em fibras, o que ajuda o bom funcionamento do trato intestinal. Além disso, as fibras também ajudam a controlar os níveis de açúcar no sangue e o colesterol.

 

Fonte de energia: por possuir carboidratos complexos, ajuda na produção de energia para o organismo.

 

A especialista pontua que usado em uma alimentação equilibrada, o milho é um grande aliado, mas é preciso moderação.

 

“O mais indicado é ingerir o milho em sua forma in natura como milho cozido, ou ainda na forma minimamente processada como a farinha de milho utilizada para cuscuz. Não é recomendado o consumo em suas formas industrializadas, como salgadinhos ou cereais de milho, pois passam por processos químicos na indústria, além de receber aditivos químicos para conservação", explica a profissional.

 

"É importante ressaltar que, se consumido em grandes quantidades, o milho pode acarretar ganho de peso: 100 gramas de milho cozido contêm cerca de 98 calorias. Até na forma de pipoca é preciso moderação: ela consegue saciar o consumidor 1,6 vezes mais do que a batata frita, mas não pode ser consumida sem moderação nas dietas, pois também possui calorias importantes”, finaliza Patricia.

 

Tendência do Clima 

A semana começou com chuva muita volumosa na costa do Nordeste. Em apenas 4 dias de julho, cidades de Alagoas já registraram quase 300mm acumulados, o que representa praticamente toda a média do mês. Além dos transtornos para a população em geral, essa chuva intensa acaba prejudicando áreas de cana de açúcar, principalmente no leste de Pernambuco.


Outro estado que merece atenção para chuva é o Rio Grande do Sul. A partir de quinta-feira(07) volta a chover no estado gaúcho e isso prejudica o plantio de trigo, pois o solo está encharcado no estado.

 

Santa Catarina e Paraná seguem com o tempo firme, favorável para colheita de milho segunda safra e plantio de trigo.

 

Depois do dia 14 de julho, uma massa de ar frio vai derrubar as temperaturas no sul e mais próximo ao dia 20 tem condições de frio intenso, principalmente no centro-sul do país.

 

Como monitorar o Clima na sua fazenda?

 

Otimizar o plantio, ficar de olho no Clima para avançar com os trabalhos no campo e observar o desenvolvimento da cultura para evitar perdas são algumas das decisões que você produtor rural precisa tomar durante a safra. 

 

AgroclimaPRO é um serviço de tecnologia da Climatempo que utiliza o conhecimento meteorológico. Com ele você pode acessar o histórico de dados de Clima para sua fazenda e pode detectar áreas com menor vigor vegetativo. Além disso, você fica sabendo como será a demanda hídrica da sua lavoura nos próximos 15 dias e ainda consegue identificar os melhores dias e horários para realizar as pulverizações. 

 

Faça parte da maior comunidade AGRO! O canal oficial da Climatempo no Telegram fornece conteúdos diários e exclusivos sobre o Clima e previsão para a agricultura. Quero fazer parte!

 

 

Experimente ter monitoramento em tempo real da sua fazenda

+ mais notícias