Ícone de alerta
Alerta anterior Próximo alerta Fechar alerta

Excesso de chuvas causa queda na produção de arroz no Rio Grande do Sul

Compartilhar Compartilhe no Whatsapp Compartilhe no Facebook Compartilhe no Twitter

2 min de leitura

Entre os meses de março e abril, a chuva comprometeu diretamente as plantações de arroz no Rio Grande do Sul. O período, utilizado para colheita da cultura, teve um excesso de chuvas, o que causou prejuízo na produção. De acordo com a Climatempo, o alto nível de pluviosidade foi provocado pela influência do fenômeno El Niño.

 

Na cidade de Camaquã, localizada ao sul do estado, choveu aproximadamente 450 mm, em março, sendo que a média para o período é 108 mm. Em Abril, choveu 180 mm e depois a chuva foi rareando. Em junho quase não choveu.  

 

De acordo com representantes do setor arrozeiro de Camaquã, quando chove em excesso no plantio, o produtor não consegue trabalhar a lavoura e, consequentemente, não atinge um arroz de qualidade. A pluviosidade e o tempo instável também atrapalham a floração. Na colheita, o principal problema é a queda da planta, que acaba vindo a solo e não consegue se desenvolver como deveria.

 

O produtor precisa sempre estar atento à questão da água para não ter prejuízos em sua plantação. Durante o La Niña (previsto para começar a atuar em setembro), por exemplo, o agricultor que plantar com atraso, enfrentará problemas por conta da falta de chuvas no meio e no fim do manejo da lavoura.

 

A estimativa do prejuízo na atual colheita é de 15%, enquanto na área plantada 5%. Para minimizar as perdas, os produtores foram obrigados a elevar o preço do arroz em até 40%. Devido à falta do produto na região, as importações estão tendo um peso maior. Uruguai, Argentina e Paraguai são os principais exportadores da cultura para o Rio Grande do Sul.

 

Experimente ter monitoramento em tempo real da sua fazenda

+ mais notícias