Ícone de alerta
Alerta anterior Próximo alerta Fechar alerta

Conheça 5 erros no manejo da fertilidade do cafezal

Compartilhar Compartilhe no Whatsapp Compartilhe no Facebook Compartilhe no Twitter

6 min de leitura

Boas práticas de adubação e correção do solo são de extrema importância para a produção do café no Brasil. Para que o produtor obtenha lucratividade com melhores resultados é necessário conhecer os elementos nutricionais que a planta necessita e aplicar todas as ferramentas disponíveis para diagnosticar a situação do cafeeiro.

 

De acordo com o Doutor André Guarçoni Martins, pesquisador do INCAPER/ES, os erros mais comuns cometidos no manejo da fertilidade do cafezal são:

 

1 - Não dividir as áreas em talhões homogêneos, considerando características de solo, planta e manejo (declividade, tipo de solo, idade das plantas, manejo nutricional da área, etc).

 

2 – Volume da amostra - Esse volume tem influência direta sobre a qualidade do resultado. Se o volume for pequeno, é necessário retirar mais amostras, e se for maior, pode ser retirado menor número de amostras, mas nunca menos que 20. A sonda retira um volume muito pequeno, então tem que aumentar o número de amostras coletadas para 30. O erro também é achar que qualquer volume vai gerar a mesma representatividade.

 

3 - Local de retirada da amostra de solo – Se a área a ser trabalhada sofrer aração antes do plantio não tem problema, a retirada é aleatória. Mas se a lavoura já estiver em produção, o local da coleta deve ser onde se aplica o fertilizante. Os agricultores costumam tirar amostras na entrelinha, onde não se aplica fertilizante. Dessa forma, a amostra de solo nunca será representativa. Se a adubação é feita apenas na parte de cima (o que já não é o correto), no outro ano tem que ser aplicada na parte inferior, e coleta da amostra de solo deve ser da parte inferior.

 

4 - Não misturar muito bem a amostra de solo - No laboratório, para fazer a analise, são utilizados 10cm³ de solo. Esse volume de solo tem que representar o talhão homogêneo como um todo. A mistura tem que ser muito bem feita. Deve-se jogar em cima de uma lona, deixar secar e fazer o quarteio, tirando as extremidades. Deve se fazer uma cruz, marcando o solo, e tirar as extremidades até ficar uma quantidade menor que será enviada ao laboratório. Se não for possível fazer o quarteio, deve-se pelo menos misturar bem a amostra e retirar um pouco de cada lugar para formar uma amostra composta.

 

5 - Interpretação equivocada da análise de solo - seja em relação ao método de análise, seja em relação às próprias tabelas utilizadas.

 

Foto: Shutterstock

 

Como café pode produzir mais e aumentar a lucratividade com a correção de solo e adubação?

 

O café, como qualquer planta, precisa de nutrientes para seu ciclo de vida, e dentro do ciclo de vida há a produção de sementes, que no caso do café são os grãos. Se o solo não consegue fornecer a quantidade de nutrientes suficiente e de forma balanceada, o agrônomo precisa fazer.  O corretivo de solo, além de elevar o pH (reduzir a acidez e neutralizar o alumínio), é importante para aumentar a absorção dos nutrientes. O pH ideal para o café é de 5,8 a 6,5%. O corretivo é fonte de cálcio a magnésio, que são nutrientes absorvidos em grande quantidade. Ou seja, além de corretivo, ele é fertilizante. Também tem os fertilizantes propriamente ditos, fontes de macro (N, P, K, Ca, Mg e S) e micronutriente (B, Cu, Fe, Zn, Mn, Mo, Cl e Ni).

 

O café produz mais quando corrigimos o solo e fornecemos nutrientes na quantidade correta e balanceada. Entretanto, se as doses forem muito altas, pode causar toxidez, o que reduz a produtividade e pode levar à morte da planta.

 

Fertilidade do solo nas regiões produtoras

Os solos das regiões produtoras são, em geral, muito intemperizados com baixa fertilidade natural e elevada acidez. Apesar disso, suas características físicas são relativamente boas, profundos, porosos, sem camadas adensadas. Uma vez que sejam corrigidos problemas químicos, o solo se torna produtivo, na maioria das regiões brasileiras. Então, fazendo correção de perfil e adubação adequada é possível conseguir uma boa produtividade, comenta Guarçoni.

 

Investimento do produtor na correção do solo e adubação das plantas

Ainda segundo, o pesquisador não existe agricultura economicamente viável no Brasil se não forem realizadas correção e adubação, e isso não vale apenas para o café. Sem calagem e adubação, não existe agricultura comercial no Brasil. O investimento tem que ser bem avaliado, mas deve existir, caso contrário não há retorno para o produtor. Deve-se inclusive contratar profissional competente, quando não há um serviço público à disposição.

 

Interpretação da análise do solo

É importante ter uma boa recomendação de calagem e adubação. Porém, não é o produtor que tem fazer a interpretação, são os agrônomos e técnicos. O produtor faz a análise de solo e leva para profissionais elaborarem uma recomendação eficaz, sem vínculos com o mercado de produtos, às vezes caros e ineficientes.

 

 

Experimente ter monitoramento em tempo real da sua fazenda

+ mais notícias