Ícone de alerta
Alerta anterior Próximo alerta Fechar alerta

2ª safra tem perspectiva de ser cheia

Compartilhar Compartilhe no Whatsapp Compartilhe no Facebook Compartilhe no Twitter

3 min de leitura

As áreas de instabilidade ganharam força pelas regiões produtoras de Rondônia, Mato Grosso, Goiás, Mato Grosso do Sul, Pará, Maranhão, Tocantins, Piauí e Bahia, o que ajudou a formar nuvens carregadas e chuva generalizada. Com isso, o nível de umidade do solo subiu, garantindo melhores condições ao desenvolvimento da 2ª safra do milho, algodão e feijão.

 

Na parte Sul do Brasil, também houve registro de chuva, que proporcionou boas condições para as culturas. Os volumes foram superiores a 25 mm. Mesmo que tenha atrapalhado a finalização da colheita de soja, a chuva não causou grandes problemas na maior parte do país. A exceção foi alguns registros de chuva forte acompanhada de rajadas intensas de vento, que causaram sérios prejuízos na região central do Mato Grosso.

 

Previsão para as áreas produtoras

Nesta segunda-feira (26) o tempo fica instável em grande parte da Região Centro-Oeste e Norte do país, principalmente nas áreas produtoras do Mato Grosso do Sul, Paraná e São Paulo. O Estado de Minas Gerais deve ter um tempo mais firme, com previsões para eventuais pancadas de chuva localizadas na faixa sudoeste e do triângulo mineiro.

 

A partir de terça-feira (27), as áreas de instabilidade perdem força e o tempo volta a ficar mais firme em grande parte do país. Ainda assim, pode vir a ocorrer pancadas de chuva em Santa Catarina, Paraná, Mato Grosso do Sul e Rondônia.

 

Por causa da Zona de Convergência Intertropical (ZCIT), há previsão de pancadas de chuva, também, sobre a faixa sul e leste do Pará, Tocantins e Maranhão. Nas outras áreas ao norte do país, o tempo permanece aberto e sem previsões de chuva.

 

chuvap1_br

 

Final de março

No final desta última semana de março, novas áreas de instabilidade avançam sobre o Brasil e deixam o tempo instável, com possibilidade de pancadas de chuva em todo o país. Deste modo, as condições ao desenvolvimento das lavouras continuarão satisfatórias. No entanto, em algumas microrregiões a ausência de chuva frequente, por conta do forte calor, preocupa os produtores. Ainda é cedo para fazer qualquer tipo de avaliação de perda de produtividade em lavouras de 2ª safra, já que a perspectiva é de que ela ainda seja cheia.

 

ultimosdias_br

umidsolo_br

 

 

Experimente ter monitoramento em tempo real da sua fazenda

+ mais notícias