Ícone de alerta
Alerta anterior Próximo alerta Fechar alerta

Pastagens encolheram e vegetação nativa aumentou

Compartilhar Compartilhe no Whatsapp Compartilhe no Facebook Compartilhe no Twitter

4 min de leitura

O estudo da Embrapa Territorial mostra que a área dedicada à pecuária foi, de longe, a que mais perdeu espaço no nordeste paulista. Há 30 anos, as pastagens estavam em primeiro lugar na ocupação de terras na região, cobrindo 27% da área rural. Em 2015, com 13% do espaço, aparecem atrás não só da cana-de-açúcar, mas também das reservas de vegetação nativa.

 

No caso da pecuária de leite, a oportunidade de rendimentos com o arrendamento para a cana-de-açúcar chegou no momento em que os produtores e cooperativas paulistas encontravam dificuldade para concorrer com outras regiões do País. Até a introdução da tecnologia do leite longa vida, na década de 1990, eles não sofriam concorrência com outros estados, já que o prazo de validade do produto era muito curto. Com o “leite de caixinha”, a situação mudou, segundo explica o cientista da Embrapa.

 

A maior parte dos pecuaristas que conseguiram se manter no setor leiteiro são pequenos. Isso porque o tamanho reduzido das propriedades dificulta a logística das usinas, que não se interessam por arrendá-las. Além disso, costumam dispor de mão de obra familiar e evitam os custos da contratação de funcionários. A adoção de sistemas específicos para suas condições, como o do projeto Balde Cheio, da Embrapa, também contribuiu para que muitos se mantivessem na atividade. Poucos produtores de médio e grande porte optaram por permanecer no segmento. Os que o fizeram investiram fortemente em tecnologias de otimização, escala e controle da produção, observa o pesquisador Carlos Cesar Ronquim.

 

Criadores de gado para abate também deixaram áreas no nordeste de São Paulo e migraram para regiões de fronteira com terras mais baratas. Quem permanece normalmente investe na intensificação da produção, com práticas de confinamento e semiconfinamento.

 

Fonte: Embrapa Territorial  

 

Na próxima notícia vamos continuar falando dos resultados deste estudo feito pela Embrapa Territorial e o tema será citros no nordeste paulista. Não perca!

 

AgroclimaPRO

 

Para saber se o melhor caminho é aguardar ou seguir em frente com o plantio você pode contar com o Agroclima PRO, serviço de agrometeorologia de precisão da Climatempo. Com o ele é possível acompanhar os índices de umidade no solo e a previsão de chuva para sua região e, ainda melhor, para a sua fazenda! Nessa safra, a atenção em relação ao melhor momento para o plantio será fundamental para garantir a uniformidade das lavouras. Confiar nas previsões e na expertise da principal empresa privada de meteorologia do país será fundamental para garantir o sucesso da safra que está prestes a iniciar!

 

Acerta na sua safra! Assine agora mesmo o Agroclima Pro

Acesse: https://agroclimapro.com.br/

Experimente ter monitoramento em tempo real da sua fazenda

+ mais notícias