Ícone de alerta
Alerta anterior Próximo alerta Fechar alerta

Confira a tendência para o verão 2021 nas áreas produtoras

Compartilhar Compartilhe no Whatsapp Compartilhe no Facebook Compartilhe no Twitter

6 min de leitura

O verão começou oficialmente no último dia 21/12, às 7h02 da manhã (horário de Brasília). A nova estação terá influência da La Niña, com intensidade moderada a forte. Mesmo assim, as chuvas sobre o Brasil não vão sentir os efeitos clássicos do fenômeno, nos quais as águas do Oceano Pacífico Equatorial têm temperatura abaixo do normal.

 

De forma geral, os efeitos clássicos da La Niña no país compreendem a redução da chuva no Sul e o aumento da precipitação nas metade norte da Região Norte e do Nordeste. Já nas regiões Sudeste e Centro-Oeste, o fenômeno tende a estimular a formação de corredores de umidade, que também provocam chuva.

 

Saiba o que o agricultor deve esperar com relação ao Clima no verão 2021 nas regiões produtoras.

 

Janeiro

Em janeiro de 2021, a tendência é de que a chuva fique acima da média climatológica no Rio Grande do Sul, no sul e leste de Mato Grosso do Sul, em São Paulo, no Triângulo Mineiro e no sul de Minas Gerais. Além disso, o mês também deve ter mais chuva do que o normal no Amazonas, no Pará, em Roraima e no Amapá.

 

Já a Região Nordeste, o Tocantins, Rondônia, Acre, Mato Grosso, Goiás, Santa Catarina e Paraná devem ter um janeiro com menos chuva do que o normal. Vale ressaltar que a média de precipitação para janeiro já é muito alta em várias áreas do país, portanto, chover menos do que a média não significa uma situação de escassez. 

 

Fevereiro

Fevereiro deve ter chuva dentro da média em praticamente toda a Região Sul, no entanto, o sul do Rio Grande do Sul poderá ter precipitações irregulares. Já entre o sul e leste de Mato Grosso do Sul, São Paulo, Triângulo Mineiro e sul de Minas Gerais, a chuva também deve ser superior à média normal para o mês. Também chove acima do normal no Amazonas, em Roraima, no oeste do Pará e no Amapá.

 

Em Rondônia, no oeste e sul de Mato Grosso (incluindo o Pantanal), no sul de Goiás e em todo o centro-norte e leste de Minas Gerais, a chuva de fevereiro ficará dentro da média climatológica. Por outro lado, pode chover menos que o normal em áreas do centro-norte e leste de Mato Grosso, em quase todas as áreas de Goiás, no Tocantins e em todo o Nordeste.

 
Março

A previsão da Climatempo é de que a chuva de março de 2021 fique muito abaixo da média normal novamente na faixa norte do país. Esta deficiência deve ser notada em áreas como Macapá e Belém, Maranhão, Piauí, Ceará, Rio Grande do Norte e Paraíba. Apesar de março ser o pico do período chuvoso em todas estas regiões, a previsão é de grande deficiência de chuva nestas áreas, situação que se repetirá por dois meses consecutivos. As demais áreas do Nordeste também devem terminar o mês com chuva abaixo da média climatológica.

 

Além disso, também deve chover menos do que o normal em Minas Gerais, no Espírito Santo, em Goiás, e no centro-sul do Tocantins.

 

Já no sul do Amazonas, Acre, Rondônia, em praticamente todo o Mato Grosso, sul de Goiás, em quase todo o estado de São Paulo, na maioria das áreas do Rio Grande do Sul e no centro-leste de Santa Catarina, a chuva de março de 2021 deve ficar dentro da média.

 

Entre o leste gaúcho, o sul e leste de Santa Catarina, Paraná, oeste de São Paulo, em Mato Grosso do Sul, no centro-norte do Amazonas, em Roraima e no centro-norte do Amapá, março terá chuva acima do normal para o mês.

 

 

Escolha certa para sua lavoura

Para que 2021 seja um ano de excelência no campo, além da previsão do tempo de qualidade, o agricultor também deve contar com produtos tradicionais que garantam a melhor produtividade e rentabilidade. Por isso, a STIHL conta com uma série de equipamentos de alta qualidade, que vão muito além de motosserras e roçadeiras. 

 

Além disso, a STIHL também está comprometida com as mudanças climáticas, e está trabalhando com o objetivo de eliminar a sua pegada de carbono global. A empresa definiu diretrizes que contemplam ações de proteção do clima a curto, médio e longo prazo. A partir de 2021, todas as fábricas na Alemanha e o centro de distribuição em Dieburg irão se tornar neutros climaticamente, com foco nas emissões diretas e indiretas de CO2 que podem ser controladas (âmbitos 1 e 2 conforme descrito no Protocolo de Gases de Efeito Estufa). As emissões de CO2 que não podem ser evitadas a curto prazo serão compensadas pelo apoio a projetos internacionais de proteção do clima certificados pela Gold Standard, entidade independente reconhecida internacionalmente.

 

Saiba mais em: https://www.stihl.com.br/

 

 

Este conteúdo trata-se de um informe publicitário patrocinado pela Stihl.

Experimente ter monitoramento em tempo real da sua fazenda

+ mais notícias