Ícone de alerta
Alerta anterior Próximo alerta Fechar alerta

Clima impacta trabalhos com soja e milho nos campos do RS

Compartilhar Compartilhe no Whatsapp Compartilhe no Facebook Compartilhe no Twitter

6 min de leitura

O início do período com chuvas e alta umidade impediu o avanço da colheita na maior parte do Rio Grande do Sul. O retorno das máquinas às lavouras se intensificou na sexta-feira passada (06/05), limitando-se às lavouras de topografia mais elevada, já que, nas mais baixas, ainda havia muita umidade, impossibilitando o acesso.

 

De acordo com o Informativo da Emater- RS (12/05), nos dias subsequentes, as atividades foram intensas e buscaram diminuir a proporção de lavouras já maduras expostas as intempéries. O produto colhido apresentou alta umidade, acima da ideal para a operação.

 

Na amostragem da primeira quinzena de maio, realizada em 361 municípios das 12 regiões administrativas da Emater/RS-Ascar, o índice de colheita alcançou 83% dos cultivos. Permanecem a campo 16% em maturação, e 1% está em fase final de enchimento de grãos. Onde as precipitações foram em maior volume, constatou-se danos nos grãos de plantas maduras, como abertura de vagens, queda e início de germinação de grãos. As lavouras em maturação não apresentaram danos causados pelo longo período de alta umidade.

 

Milho

 

A colheita do milho novamente ficou praticamente paralisada em razão da priorização dada pelos produtores à colheita da soja e em razão das chuvas volumosas e frequentes que ocorreram até semana passada (04/05). Mesmo após a manutenção de tempo firme, a umidade do grão e a umidade do solo continuaram elevadas, impedindo o andamento dos trabalhos. Assim, o índice evolui apenas 1%, chegando a 86% dos cultivos. Outros 11% estão em maturação e somente 3% ainda em enchimento de grãos.

 

milho_Patricia_Prasniewski_NovaLaranjeiras_PR

Foto: Patricia Prasniewski -Nova Laranjeiras -PR

 

Milho silagem

 

A colheita do milho silagem alcançou 90% da área cultivada, prejudicada pela recorrência de chuvas na primeira metade da semana. Contudo, desde a última sexta-feira (06/05), já foram retomadas as operações de corte e ensilagem para aproveitar a turgidez das plantas e a proporção adequada de grãos na massa a ser ensilada. Restam ainda 4% dos cultivos em maturação e 6% em enchimento de grãos.

 

Potencial de geada nas áreas de milho 

 

O avanço de uma massa de ar frio e muito seco derruba a temperatura no centro e sul do Brasil nesta semana. Nas áreas de milho, há potencial para geadas entre terça (17/05) e quinta-feira (19/05). A terça (17) e a quarta-feira (18) mostram-se mais propensas à formação do fenômeno no Paraná, Mato Grosso do Sul, São Paulo e Minas Gerais por ter menos nuvens e o ar ficar mais seco.

 

Já na quinta-feira, embora as simulações mostrem o espalhamento do frio com potencial para geadas também em Goiás, há previsão de nuvens na madrugada, fazendo com que o fenômeno aconteça de forma mais pulverizada, não seja tão abrangente.

 

O efeito da geada nos hortifrutis nos próximos dias

 

O centro de alta pressão está muito distante das áreas de café e o frio será intenso apenas pela combinação da corrente de jato e de um intenso ciclone extratropical sobre a costa do Rio Grande do Sul. A temperatura alcançará 2°C em Toledo-PR e Ubiratã-PR, 1°C em Francisco Beltrão-PR, Estimam-se 3°C em São Miguel do Iguaçu-PR, 2,5°C em Itapeva-SP, em Cascavel-PR e em Assis Chateaubriand-PR e 1,5°C em Pato Branco-PR.

 

Além do Paraná e do sul de São Paulo, a temperatura mínima alcançará 3°C em Casa Branca-SP, São Gabriel do Oeste-MS e Itaberá-SP, 4°C em Coromandel-MG, em Sacramento-MG e em Perdizes-MG, 2,5°C em Maracaju-MS e Sidrolândia-MS, 3°C em Ponta Porã-MS e 5,5°C em Dourados-MS.

 

Em Goiás, estimam-se 4°C em Rio Verde-GO, 2,5°C em Jataí-GO, 4,5°C em Montividiu-GO, 3°C em Mineiros-GO e 5°C em Cristalina-GO. A partir da sexta-feira, diminui-se a chance de geadas em áreas de milho. A chuva retornará ao Paraná a partir do dia 26 de maio.

 

Como monitorar o Clima na sua fazenda?

 

Otimizar o plantio, ficar de olho no Clima para avançar com os trabalhos no campo e observar o desenvolvimento da cultura para evitar perdas são algumas das decisões que você produtor rural precisa tomar durante a safra. 

 

AgroclimaPRO é um serviço de tecnologia da Climatempo que utiliza o conhecimento meteorológico. Com ele você pode acessar o histórico de dados de Clima para sua fazenda e pode detectar áreas com menor vigor vegetativo. Além disso, você fica sabendo como será a demanda hídrica da sua lavoura nos próximos 15 dias e ainda consegue identificar os melhores dias e horários para realizar as pulverizações. 

 

Faça parte da maior comunidade AGRO! O canal oficial da Climatempo no Telegram fornece conteúdos diários e exclusivos sobre o Clima e previsão para a agricultura. Quero fazer parte!

Experimente ter monitoramento em tempo real da sua fazenda

+ mais notícias