Ícone de alerta
Alerta anterior Próximo alerta Fechar alerta

Você conhece o Baru?

Compartilhar Compartilhe no Whatsapp Compartilhe no Facebook Compartilhe no Twitter

6 min de leitura

Foto: istock

 

A árvore Baru é nativa do Cerrado brasileiro e apresenta fruto rico em vitaminas sendo muito utilizado para fins medicinais, cosmético, culinária brasileira e para atrair a fauna. Além disso a árvore Baru, fornece ótima madeira que pode ser utilizada na movelaria, construção civil e moveleira. Esta árvore também produz uma única semente comestível, a castanha de baru que é muito nutritiva. 

 

É uma espécie secundária, de crescimento rápido, grande fixadora de nitrogênio no solo, podendo alcançar 25 m de altura e 70 cm de diâmetro do caule, de copa densa e arredondada fornece boa sombra. As folhas permanecem nos períodos mais secos e são compostas por 6 a 12 folíolos. As flores são pequenas, de coloração rosa, e a floração ocorre de outubro a janeiro, atraindo as abelhas. Os frutos aparecem a seguir, amadurecendo de setembro a outubro.

 

Mais nutritivo que a maioria das nozes

 

O baru tem mais nutrientes que o amendoim e a maioria das nozes. Quase 30% de seu peso é composto por proteína. Também é rico em vitamina C, ferro, polifenóis, flavonoides e antocianinas e por isso está sendo apresentado como um alimento funcional.

 

Todo o fruto pode ser aproveitado. A polpa contém carboidratos, lipídeos, proteína, fibra e cinzas e pode ser adicionada em receitas de pães e bolos para aumentar a qualidade nutricional. A parte mais interna do fruto (endocarpo) pode ser usada como carvão com alto valor calorífico.

 

Do seu fruto, aproveita-se a castanha, a polpa, que é adocicada e a sua casca dura pode ser usada como carvão, combustível de caldeira ou para fogão. Na seca em que é a época da colheita do fruto o gado roe a polpa do fruto no pasto, suplementando a sua alimentação, mas não come a casca, onde se encontra a castanha.

 

A castanha torrada é muito energética e nutritiva. O sabor lembra o do amendoim.

 

Baru é sustentável e lucrativo 

 

“O comércio do baru é uma atividade sustentável, já que não é necessário cortar a árvore para a obtenção do produto”, é o que explica Kolbe Soares, analista de conservação da WWF-Brasil. Ele informa que existem mais de 700 espécies no Cerrado que possibilitam essa exploração sustentável e não madeireira. 


“O mercado externo está descobrindo o pequi, o baru, o babaçu, o artesanato com capim dourado. Os produtos das comunidades extrativistas têm alcançado o mercado interno e o externo”, conta Soares.

 

Sobre o baru, o analista explica que ele está sendo divulgado aproveitando a “onda” das castanhas brasileiras, já bem conhecidas lá fora, como a de caju e a do Brasil. Segundo o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), a produção de baru em 2018 foi de 95,8 toneladas, distribuídas nos estados de Goiás e Mato Grosso, e de 69,3 toneladas em 2019. O preço mínimo do quilo, estabelecido pela Companhia Nacional de Abastecimento (Conab), é de R$ 25,50, mas há registro de venda por até R$ 80,00 naquelas safras.  


O crescimento da procura pelo baru tem uma explicação: o aumento da consciência do público em relação aos produtos consumidos. Essa opção traz grandes impactos para o País. “As comunidades utilizam as espécies nativas para gerar renda e ao mesmo tempo preservam o bioma em pé, o que também mantêm as pessoas no campo, reduzindo o êxodo rural. O aumento da demanda fortalece a atividade e diminui a pressão pelo desmatamento do Cerrado e tudo isso vira um ciclo com benefícios amplos para a sociedade”, expõe Soares. 


O pesquisador Fernando Rocha acredita que o baru já é definitivamente um produto com demanda nacional e internacional. Por isso, ele diz ser muito importante desenvolver um sistema de produção para garantir a oferta do produto evitando que isso seja feito em outro país, como ocorreu com a macadâmia. Nativa da Oceania, a seleção de material e o desenvolvimento de metodologia para seu plantio comercial foi feito no Havaí, Estados Unidos, no século 19.

 

Como planejar uma safra e monitorar sua fazenda?

 

Otimizar o plantio, ficar de olho no Clima para avançar com os trabalhos no campo e observar o desenvolvimento da cultura para evitar perdas são algumas das decisões que você produtor rural precisa tomar durante a safra. 

 

Agroclima Pro é um serviço de tecnologia da Climatempo que utiliza o conhecimento meteorológico. Com ele você pode acessar o histórico de dados de Clima para sua fazenda e pode detectar áreas com menor vigor vegetativo. Além disso, você fica sabendo como será a demanda hídrica da sua lavoura nos próximos 15 dias e ainda consegue identificar os melhores dias e horários para realizar as pulverizações. 

 

Faça parte da maior comunidade AGRO!
O canal oficial da Climatempo no Telegram fornece conteúdos diários e exclusivos sobre o Clima e previsão para a agricultura. Quero fazer parte!

Experimente ter monitoramento em tempo real da sua fazenda

+ mais notícias